Cooperação entre Brasil e China no setor ferroviário são debatidos em Basília

Discussão sobre projetos de cooperação entre Brasil e China relacionados ao desenvolvimento e intercâmbio de tecnologia entre os dois países no setor ferroviário e sobre a realização de um seminário relativo ao tema. Estes foram alguns dos assuntos tratados em reunião, nesta terça-feira, 4, entre o deputado federal Jaime Martins (PSD-MG), a deputada federal Clarissa Garotinho (PR-RJ), presidente da Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados, e o Ministro Conselheiro da Embaixada da China, Wang Wei, em Brasília.

Desenvolvimento da economia nacional

Como presidente da Subcomissão Permanente de Ferrovias e Trem de Alta Velocidade da Câmara dos Deputados, Jaime Martins ressaltou a importância da implantação de uma rede ferroviária abrangente que interligue pontos estratégicos do Brasil para o desenvolvimento da economia nacional. O parlamentar ressaltou os benefícios da Transoceânica, ferrovia ligando os Oceanos Pacífico e Atlântico partindo do Rio de Janeiro até o Peru, e a necessidade e importância da retomada deste projeto, fruto de ações do parlamentar no setor.

“A ferrovia irá cortar regiões de produção mineral, passar por áreas produtoras de aço, por exemplo, e produtoras de grãos. Além disso, ela prevê interligação com a ferrovia Norte-Sul , com acesso inclusive a vários portos brasileiros facilitando escoamento de produtos a serem exportados, barateando o preço do frete. Uma forma de estimular a produção de soja do interior do Brasil, por exemplo”, afirmou.

A China aparece como um parceiro na implantação de diversos destes projetos no Brasil já que é exemplo no setor de transporte de cargas e passageiros, contando, por exemplo, com um trem de alta velocidade que liga Pequim a Xangai. Outro exemplo do uso de tecnologia de ponta no transporte é o Maglev (Magnetic levitation transport), ligando o Aeroporto Internacional de Pudong ao centro de Xangai. O projeto chama atenção pelo uso de levitação magnética para mover os trens que chegam a 400km/h e percorrem o trajeto de 30 km em cerca de sete minutos. Para Jaime Martins, a troca de tecnologia entre os dois países é fundamental para o avanço do sistema de transporte nacional.